Fonte: Redação - Foto: Divulgação

Ecos da crise do mercado imobiliário de 2008 têm deixado muitos imaginando cenários do dia do juízo final. Além disso, há aqueles que preferem sempre apostar no pior.


O corretor e especialista no assunto, Pablo Farias, que mora na Flórida há 15 anos e atua desde 2006 como empresários nos Estados Unidos, sendo mais de dez dedicados ao segmento de compra, locação e venda de imóveis nos Estados Unidos, reforça que em artigo recente publicado pelo USA Today, Gus Faucher, economista-chefe do Financial Services Group, afirmou que uma recessão não é inevitável. E se acontecer, é provável que seja breve e muito menos severo que a “Grande Recessão”.


A crise financeira e a recessão de 2008 resultaram de anos de inseguranças econômicas profundamente enraizadas, o que não é o caso agora, porque trata-se de algo que é causado por algo externo à economia. “Existem diferenças importantes nesse mercado que podem significar coisas boas para o mercado imobiliário, apesar dos eventos recentes”, destaca Pablo.
 

O especialista separou alguns principais indicadores. São eles:


O estoque de imóveis residenciais está baixo.


Um artigo da Forbes em dezembro de 2019 previu um nível historicamente baixo de estoque de moradias em 2020. Segundo as estatísticas da NAR, há um déficit crônico de 300.000 a 400.000 unidades habitacionais por ano.


Bryan Souza, um agente imobiliário de Fresno, Califórnia, que trabalhou durante a recessão de 2008, diz que há uma diferença fundamental entre esse mercado e o de hoje. Naquela época, havia 18 meses de suprimento … era um mercado comprador”, disse Souza. Hoje, em nossa região metropolitana local e, na verdade, em todo o país, estamos analisando dois a três meses de inventário.


Mesmo quando os mercados mudam, a demanda do comprador permanece. Caso alguns compradores inicialmente adiem suas compras por medo, a maioria ainda desejará comprar e essa demanda reprimida, se transformará em vendas.


As taxas de hipoteca são baixas


As taxas de hipoteca estão abaixo de 4% há algum tempo e devem permanecer assim. Essas baixas taxas incentivarão mais pessoas a comprar, mesmo que sejam dissuadidas pelos medos iniciais causados pelo vírus.
 

Os empréstimos subprime caíram


Uma hipoteca subprime é um tipo de empréstimo residencial concedido a pessoas com baixa pontuação de crédito (geralmente abaixo de 600) que não se qualificariam para hipotecas convencionais. Eles geralmente vêm com taxas de juros e adiantamentos muito mais altos do que as opções convencionais.


A crise de 2008 foi iniciada quando bancos e outros credores aprovaram hipotecas para compradores não qualificados, elevando os preços das casas para níveis muito altos. Quando os preços das casas começaram a cair, milhões de americanos pararam de fazer pagamentos de hipotecas e perderam suas casas, e os bancos foram empurrados para a beira da falência. Naquela época, a dívida das famílias subiu para um recorde de 134% do produto interno bruto. Hoje, esse índice é de 96% do PIB, algo historicamente baixo e as famílias estão economizando cerca de 8% de sua renda, em comparação com apenas 3% em 2008.


De acordo com dados do Federal Reserve Bank de Nova York e do Equifax Consumer Credit Panel, do terceiro trimestre de 2001 até o final de 2008, uma média de 20% de todas as hipotecas originadas foi para pessoas com pontuação de crédito subprime (inferior a 600). No terceiro trimestre de 2018, os mutuários do subprime receberam apenas 9% de todas as hipotecas.


Tudo isso significa que mais americanos estão melhor equipados para lidar com uma interrupção econômica temporária que não afetará significativamente sua capacidade de comprar casas ou se apegar com as casas atuais.
 

Os proprietários de hoje têm mais patrimônio líquido em suas casas


De acordo com um relatório do Federal Reserve chamado Flow of Funds, os americanos possuíam US $ 18,7 trilhões em suas casas, dando a eles uma participação acionária de 64%. Em comparação, esse número foi de apenas 52,7% no primeiro trimestre de 2007. Isso significa que a maioria dos proprietários não terá problemas em manter suas casas durante esses períodos de incerteza.
 

O governo está oferecendo uma moratória sobre execuções de hipoteca por 60 dias – que provavelmente será estendida por até 12 meses.


O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano anunciou que todos os proprietários de casas unifamiliares com hipotecas, apoiadas pela Administração Federal de Habitação, estariam protegidos de execução de hipoteca ou despejo até meados de maio.
 

A Agência Federal de Financiamento da Habitação ordenou que suspendessem todas as execuções hipotecárias por “pelo menos 60 dias”. O FHFA também ofereceu indenização a proprietários afetados pelo COVID-19, o que lhes permitiu suspender o pagamento da hipoteca por até 12 meses. Essas medidas devem incutir confiança nos vendedores domésticos, e dar a eles a oportunidade de vender suas casas durante a extensão.
 

Preços internos apreciados durante recessões anteriores


Nem toda recessão sinaliza uma quebra no mercado imobiliário. De fato, os preços das casas subiram em três das últimas cinco recessões (1980, 1981, 2001) e permaneceram praticamente inalterados em uma (caíram 1,9% na recessão de 1991). Eles só apresentaram uma queda significativa em 2008. Segundo Zillow, a valorização anual em todos os estados desde 1997 foi em média 4,6% durante períodos de crescimento econômico e 4% durante recessões. As condições atuais do mercado são muito mais parecidas com as de 2001, após o 11 de setembro.
 

As pessoas sempre vão precisar de um lugar para morar


Mais do que nunca, as pessoas entendem o valor de ter um teto sobre suas cabeças. Em tempos de incerteza, a casa própria é uma segurança pela qual as pessoas se orgulham e trabalham. O setor imobiliário é acima de tudo uma indústria humana, e os seres humanos almejam a estabilidade da casa própria.
 

Ninguém sabe quanto tempo isso vai durar


O medo está no auge. Há tanta incerteza sobre como esse vírus afetará as pessoas nos Estados Unidos que todos preferem assumir o pior. Se uma cura viável for encontrada nas próximas semanas e for lançada, essa pandemia poderá ser um problema muito mais curto do que o inicialmente previsto. Agora, não é hora de entrar em pânico e parar de fazer o que funciona não faz sentido.


Sobre Pablo Farias


Pablo Farias é brasileiro, naturalizado americano e atua como corretor de imóveis no Estado da Flórida. Ele é especializado em Central Flórida, sobretudo na região chamada grande Orlando. Seu trabalho tem conquistado grande destaque em qualidade do atendimento que se traduz em volume de vendas, principalmente nas cidades de Winter Garden, Windermere, Orlando, Celebration, Clermont, Davenport e Kissimmee, apesar de realizar outras vendas nas mais diversas cidades do Estado.  Mora com sua a família nos Estados Unidos desde 2006, optando por investir no país, por tudo que representa e pelas oportunidades que oferece nos mais variados segmentos.


Rua 14 de Julho, 1431
Centro
Campo Grande - MS

Ver mapa

(67) 3321-1010 / 98115-0501 / 99211-9055